Aparte
Tanuza Oliveira

É jornalista desde 2010, com atuação em veículos impressos e assessorias de comunicação.

Emília Corrêa: “Em nenhum momento me apresentei como candidata ao Governo”
Compartilhar

Emília nega possibilidade de ser candidata do grupo ao Governo 

Com a manutenção da inelegibilidade de Valmir de Francisquinho, o nome da vereadora Emília Corrêa, Patriota, começou a ser cogitado para preencher a lacuna do grupo oposicionista ao Governo do Estado. 

Mas será que essa possibilidade existe de fato? Ou se trata apenas de especulava-se eleitoral? Emília falou à Coluna Política & Mulher com exclusividade sobre o assunto e descartou a hipótese. “Temos um pré-candidato ao governo, e ele é Valmir de Francisquinho”, diz ela.

De acordo com ela, até agora, mesmo com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral - TSE -, que manteve a cassação dos direitos políticos de Valmir, não houve qualquer mudança de planos. 

“Ainda cabem recursos e eles serão buscados dentro do que permite a legislação, até porque foi um julgamento no qual não houve unanimidade: três dos quatro ministros divergiram, e isso deixa uma brecha para o recurso”, argumenta Emília Corrêa.

Segundo ela, em nenhum momento se apresentou como provável candidata ao governo. “Temos uma clara consciência de que esse é um projeto bem maior que uma candidatura a deputada federal ou a vice-governadora, e uma decisão não caberia somente a mim”, ressalta.

A decisão do TCE ocorreu na última semana, quando, pelas redes sociais, Emília lamentou a saída de Valmir da disputa eleitoral. “O povo de Sergipe conhece Valmir de Francisquinho, sua história, sua luta, e estou certa que o resultado das urnas sem ele indica uma vontade que não é a do povo”, publicou. 

Vale lembrar que, até o momento, não há nenhuma pré-candidatura feminina ao Governo do Estado de Sergipe. Com Emília, ao menos as mulheres não perderiam por W x O mais uma vez! 

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.