Aparte
Discussão entre Belivaldo Chagas e Rodrigo Valadares na mídia social sai do razoável

Belivaldo Chagas e Rodrigo Valadarrs: bate-boca estéril 

Na noite da última quinta-feira, 25, o governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, PSD, e o deputado estadual Rodrigo Valadares, PTB, entraram em um debate no grupo de WhatsApp Política Sem Frescura que iniciou após o parlamentar questioná-lo sobre aumento do auxílio destinado às famílias sergipanas carentes em tempos de pandemia e finalizou com o governador disparando ofensas pessoais contra o parlamentar. Algo fora do razoável.

"Belivaldo defende auxílio emergencial de R$ 600,00, mas só quer pagar R$ 100,00. Por que não aprova nosso projeto de lei que aumenta o benefício estadual para R$ 300,00 ?”, questionou Rodrigo, confrontando a defesa que o governador faz do valor do auxílio federal.

Em sua defesa, Belivaldo Chagas afirmou que o Governo de Sergipe não possui recursos suficientes para pagar o aumento e julgou, ainda, o Projeto de Lei apresentado pelo deputado Rodrigo como inconstitucional. 

"Seu Projeto de Lei é inconstitucional. Você bem sabe, ou devia saber, que parlamentar não pode apresentar PL que cria despesas. Simples assim", disse Belivaldo Chagas, numa linha razoável e coerente.

Rebatendo, Rodrigo Valadares expôs argumentos que comprovariam a constitucionalidade do projeto que apresentou na Alese. 

"O STF já pacificou, desde 2017, que as casas legislativas podem sim criar leis que gerem despesas", afirmou. 

E mostrou em seguida a julgada decisão, reiterando o compromisso do seu corpo jurídico em todas as propostas já apresentadas.

Sem argumentos, o governador Belivaldo Chagas afirmou que deve haver limitações e disparou: "É fácil criar despesas para os outros pagarem". 

E, mais uma vez o parlamentar respondeu declarando que, sendo assim, não havia entendido a solicitação de que o novo auxílio emergencial destinado pelo Governo Federal fosse no valor de R$ 600,00.

Ainda na mesma linha, Rodrigo Valadares declarou acreditar que o Estado possui recursos para amenizar ainda mais o sofrimento dos sergipanos. 

"Recurso tem, e de sobra. É só verificar os bilhões enviados pelo Governo Federal. Tenho certeza de que o senhor tem as melhores intenções e, se fizer um esforço, conseguirá pagar ao menos R$ 300 para as famílias afetas", afirmou.
Rodrigo Valadares acredita que  demonstrou respeito e confiança nas ações do chefe do Executivo sergipano.

Mas, nitidamente incomodado e demonstrando fracas justificativas, Belivaldo Chagas disse que aguardará a comprovação dos bilhões citados por Rodrigo Valadares.
Prontamente, o parlamentar questionou se o dinheiro havia ou não chegado, propondo, inclusive, irem ao Ministério Público e à Polícia Federal para saber o que havia acontecido.

Desconfortável, o governador disparou ofensas pessoais ao deputado, que então recuou. "Irresponsabilidade tem limite. Fique à vontade para ir ao órgão de fiscalização que você quiser", disse Belivaldo. 

E lacrou a interlocução: "Vou parar por aqui, porque você não passa de um menino mimado que não merece minha atenção".

Lamentando a postura do governador em desrespeitar um deputado, Rodrigo Valadares encerrou o debate. 
"Nesse nível eu não discuto. Se quiser debater problemas sérios do povo do nosso Estado, estou à inteira disposição, mas se for partir para "menino mimado" ou afins, deixarei o nobre governador falando sozinho. Maturidade não vem com a idade em alguns casos, infelizmente", disse Rodrigo.

O governador Belivaldo Chagas tem protagonizado enfrentamentos duros, às vezes vexaminosos, com oponentes nas mídias sociais. 

Isto é um direito inalienável do cidadão e até do homem de Estado que é Belivaldo.

Mas cabe um questionamento: será que Belivaldo não concede demais, ou excede, em sua significação de homem público? Será que não exorbita? 

Isso é tema para os que cuidam da comunicação dele. (Com texto de Luísa Passos, da assessoria do deputado Rodrigo Valadares).

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.