Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Por que será que não vinga um candidato bolsonarista ao Governo de Sergipe?
Compartilhar

Sobraria o eterno lambanceiro e afetado João Fontes?

Eis aqui um fato curioso da política atual: se os bolsonaristas e o próprio presidente Jair Bolsonaro levam tão a sério a reeleição do atual mandatário do Brasil, e em nome disso desqualificam toda e qualquer pesquisa que o bote bem distante do primeiro colocado, por que mesmo não há um candidato bolsonarista taludo e expressivo à sucessão estadual de Sergipe em 2022?

Quem saberia, com base na boa teoria política, responder a isso com precisão? Não é de fato muito estranho?

Aliás, não há esse candidato taludo e expressivo e nem mesmo um acanhado. Um acanhadíssimo. Simplesmente não há ninguém do bolsonarismo levantando o crachá em nome do bolsonarismo.

Os direitistas sergipanos, nesse capítulo, estão na estaca zero. Não acenam com a menor perspectiva de participação da grande festa do voto eletrônico e seguro de 2022 para o Governo de Sergipe.

Pois é: sob o sol de Sergipe, ninguém com ar promissor, quer botar a cabeça de fora em nome de Bolsonaro.

Nem mesmo o deputado federal Laércio Oliveira faz isso - e esse, do ponto de vista político, é promissor. Mas nem mesmo ele se expõe em nome da rubrica bolsonarista.

Laércio: bolsonarista em Brasília, nem tanto em Sergipe

Bolsonarista, Laércio está bem amoitado na estrutura de poder liderada pelo governador Belivaldo Chagas. E fica ali, quieto e sonolento pro bolsonarismo, como um bom gato de pensão.

Laércio quer ser, sim, candidato a govenador ou a senador, mas o quer sob o calorzinho governista local. Sob vapor governista generoso que acena para a bonança de votos.

Mas os governistas estaduais de Sergipe não batem continência política para nada que tenha o cheiro ou o sabor de Jair Bolsonaro. Educadamente, no entanto, convivem com Laércio e sua ubiquidade. Mas no dia em que ele roer a corda, será ejetado.  

Sendo assim, sobrará o quê ou quem para ir à festa eleitoral em nome de Bolsonaro e suas doidices histriônicas e quase fascistas  na disputa pelo Governo de Sergipe em 2022?

Ninguém? Ou sobrará o eterno desregrado e direitista João Tarantela? Se estiver no DEM, não terá espaço majoritário. Ou sobrará o eterno lambanceiro e afetado João Fontes? Se for um ou outro, possivelmente estarão à altura da importância de Bolsonaro para o eleitor de Sergipe. Ou abaixo.

Convêm não esquecer que em 2018, Bolsonaro se elegeu presidente da República no segundo turno beijando a lona feiamente em Sergipe no primeiro e no segundo turno.

João Tarantela: esse desregrado e direitista seria a solução?

Relembre aí: na primeira etapa, foram 571.234 votos para Fernando Haddad, ou 50,09% dos válidos, e 310.310 votos, ou 27,21% dos válidos, para Bolsonaro.

Na segunda, o eixo empenou mais ainda pro bolsonarismo: Haddad surfou em 759.061 votos, ou 67,54% dos válidos, e Bolsonaro patinou em 364.860 - ou 32,46%.

Se em 2018 a eleição presidencial brasileira tivesse a Sergipe como parâmetro nacional, não teria havido um segundo turno, ainda que a decisão fosse pela filigrana de 0,09%.

Talvez isso explique a timidez de nomes bolsonaristas - taludos ou mirrados - em botar de fora a cabeça de uma candidatura. Talvez pensem que guilhotina deve doer.   

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.

Ricardo Silva
Vejo como muito preocupante tanta exaltação ao grupo dominante da política sergipana como. Qualquer pessoa que realmente quer o melhor para o nosso Estado pensaria em outros quadros totalmente distantes desse grupo, isso para que a gente pudesse realmente ter uma renovação política para o nosso estado, mas infelizmente isso tá muito distante de acontecer devido ainda muitos se aliar a certos grupos por ter poder político e econômico!!