Aparte
Opinião - O patrão mandou o recado e exige obediência

[*] Rômulo Rodrigues

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, distribuiu carões aos milicos golpistas brasileiros e disse que Tio Sam exige respeito ao resultado das urnas, que eles sabem que são seguras e como sabem que vão perder, tumultuam. Se fossem sem segurança, eles poderiam ganhar.

Com o rabo entre as pernas e fazendo muxoxo, o Centrão articula um mandato de senador biônico e vitalício para o presidente cessante para livrá-lo da cadeia.

A proposta, veja, tem a adesão do deputado federal Laércio Oliveira, agora candidato a senador pelo PP, partido de Artur Lira, que é quem manda no Centrão. Portanto, em Laercio.

Falando em tijolo, que é pau que não boia, Artur Lira, atual presidente da Câmara dos Deputados, é um dos mais brutos coronéis das Alagoas, eleito pelo voto de cabresto de vários currais eleitorais que Laércio quer implantar em Sergipe e que ganhou notoriedade por espancar a mulher na frente dos filhos e puxá-la pelos cabelos até a rua.

O Centrão é a junção de tudo que não presta na política brasileira, dá todo apoio ao presidente cessante e aprovou e aprova todas as medidas das reformas contra a soberania e a economia brasileira e os direitos da classe trabalhadora.

O representante máximo do grupo e do Bolsonaro em Sergipe é Laercio Oliveira. Por não ser sergipano e ter aportado por aqui, uma terra abençoada por Deus e bonita por natureza apenas para ganhar dinheiro, fez fortuna explorando mão de obra terceirizada e, como Sergipe tem a tradição de receber todos de braços aberto, se escorou no prestígio e liderança de Albano Franco.

Foi primeiro suplente de deputado federal pelo PSDB, depois foi eleito duas vezes para deputado federal, sempre mudando de partido pela prática oportunista de pular de galho em galho até chegar ao topo pelo PP.

Acontece que a eleição para senador em Sergipe será também uma eleição plebiscitária e o eleitor de qualidade, como o sergipano, vai saber a grande diferença entre um projeto de destruição responsável pelo genocídio de mais de 670 mil brasileiros e brasileiras, entre os quais quase 7 mil de Sergipe.

O quadro não é mais alarmante graças as eficientes intervenções do Governo do Estado e da Prefeitura Municipal de Aracaju e o projeto de reconstrução do Brasil. Portanto, no dia 2 de outubro, todos vão saber quem é do lado da destruição e quem é do lado da reconstrução e jamais poderão eleger um senador que vá atrapalhar o novo governo e obstruir votações que recolocarão o Brasil bem posicionado na agenda política e econômica mundial, dentro da nova ordem mundial que surgirá no raiar do ano de 2023.

Por isso, é de suma importância o voto para presidente da República ser precedido dos votos de senador e deputado federal. Eleger bancadas que não permitam mais um golpe, como o praticado contra Dilma Rousseff pelos mesmos corruptos que hoje comandam o Centrão e que jogou o país de volta ao mapa da fome da ONU.

O deputado federal Laércio Oliveira, expoente máximo do bolsonarismo, e a delegada Danielle Garcia, que chegou a ser da equipe de Sergio Moro, que foi o chefe da quadrilha da Lava Jato, são corresponsáveis por todas as desgraças que o povo passa, sem ter o que comer, e quando o eleitor passar pelas ruas e constatar a quantidade de gente pedindo esmola vai saber quem são responsáveis.

A democracia brasileira exige muita qualidade no voto e os sergipanos e as sergipanas saberão como votar em 2 de outubro, não elegendo quem vá só em seus interesses e jogar o povo na miséria absoluta.

[*] É sindicalista aposentado e militante político.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.