Aparte
Candidata a vereadora pelo PT propõe mandato coletivo em Cristinápolis

Néia Brasil: “Coletivo deve ser composto por pessoas que tenham visão política parecida”

Oriunda dos movimentos sociais e populares de Sergipe, a jovem Néia Brasil busca este ano uma vaga de vereadora na Câmara Municipal de Cristinápolis, cidade da região Sul que fica a 113 quilômetros da capital Aracaju.

Sua principal proposta de campanha é que se for eleita irá implantar um inédito sistema de mandato no parlamento municipal, o chamado mandato coletivo. “Minha proposição e desejo é um mandato popular e coletivo, algo oriundo de minha militância e, sobretudo, da minha visão de fazer política. E a partir disso a necessidade de uma nova política na cidade de Cristinápolis”, argumenta Néia Brasil.

De acordo com a candidata, que concorre pelo Partido dos Trabalhadores, o mandato coletivo é um formato de democracia em sua essência, no espaço micro, que é a cidade de Cristinápolis.

“Meu desejo de mandato coletivo não aparece como um “trunfo” para sair vencedora nas eleições, também não aparece como um sonho de Néia Brasil. O mandato coletivo, eu vejo como uma prática democrática e um caminho para a nova política na cidade”, reafirma.

“Aos meus olhos isso é muito natural, porque dentro de mim há essa inquietação de propor o novo, apesar de não ter espaço nenhum para construir e multiplicar essa ideia. Digo não ter espaço, devido às velhas práticas e os “donos da política na cidade” que anseiam por poder, práticas que sufocam a democracia”, disse.

Ela diz estar ciente de que a proposta de um mandato assim pode ser um grande desafio para a sociedade. “Mas outro desafio é a composição d o coletivo, que deve ser composto por pessoas que tenham visão política parecida”, pondera.

“Quanto à aceitação da sociedade, certos da velha política na cidade, fazer uma campanha eleitoral com essa proposta, poucas pessoas teriam a compreensão e aceitação da novidade. O que poderia ser bom, corria o risco de ser assustador. A composição do coletivo, de início, proponho que seja por representações sociais: minorias (mulher, povos tradicionais, juventude, LGBTQI+, comunidade de base, agricultura familiar...) e Academia”, explica Néia Brasil.

A Câmara Municipal de Cristinápolis é composta por 11 vereadores, numa cidade com 17.874 habitantes, segundo o último censo. Para Néia, que é servidora pública municipal e pequena comerciante, o dito mandato coletivo significará a participação do coletivo nas decisões do mandato, da cadeira conquistada na Câmara, além da participação direta nas decisões do mandato.

Ela diz que o coletivo também será institucionalizado, sendo essa ação, um retorno para a sociedade. Outra ação importante do Mandato Coletivo, segundo ela, é transparecer para a sociedade a nova forma de legislar.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.