Aparte
Márcio Macêdo defende investimentos em educação, saúde e renda

Marcio Macêdo: “Tenho compromisso com o povo, a periferia e os mais pobres”

Dando início à rodada de entrevistas às emissoras televisivas, o candidato a prefeito de Aracaju, Márcio Macêdo, PT, participou, nesta terça-feira, 6, do jornalístico Balanço Geral Sergipe, exibido pela TV Atalaia, Record TV.  Em uma conversa bastante intimista com o apresentador Sérgio Cursino, o prefeiturável apresentou propostas para a capital sergipana e, também, comentou o cenário político das eleições deste ano.

“Eu quero cuidar das pessoas, começando pela saúde. Precisamos que a atenção básica seja prioridade. Para isso, vamos ampliar as equipes de atenção básica, dar o diagnóstico preciso e rápido às pessoas. Isso é fundamental. Nós vamos cuidar das pessoas, oferecendo mecanismos de renda”, disse o petista.

“O programa de renda mínima e o Bolsa Família de Aracaju será uma realidade. Vamos garantir que as pessoas possam se alimentar, comprar itens básicos de sobrevivência. E, para cuidar de todos e todas, vamos auxiliar os micros e pequenos empresários. Incentivar o empreendedorismo na cidade. Não podemos perder nossos talentos”, reforçou.

Questionado sobre qual a diferença entre ele, representante do PT e os demais candidatos, sobretudo, o atual prefeito Edvaldo Nogueira, o petista foi enfático. “A diferença entre nós e a atual gestão é que a Prefeitura recebeu R$ 140 milhões e não investiu esse total em saúde”, disse.

“Não fez UTI, não comprou respirador. Não amparou as famílias mais pobres, nem auxiliou as micro e pequenas empresas de Aracaju. Se eu fosse prefeito, eu faria o Bolsa Família Aracaju, para ajudar as pessoas a terem renda, a poder se alimentar direito, amenizar os efeitos da crise econômica”, explicou.

“Nós fomos aliados, mas ele mudou de lado. Não seguiu o projeto da participação popular e se afastou do povo. Hoje, Aracaju é reprovada na educação. Ana Lúcia e eu somos professores, por isso falo com segurança que nós vamos cuidar da educação e retirar Aracaju da última posição do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Essa é a grande diferença. Edvaldo tem compromisso com grandes empresários. Já eu tenho compromisso com o povo, com a periferia, com os mais pobres”, acrescentou, justificando o afastamento do PT da atual gestão.

Além disso, Márcio também reforçou o porquê de destacar sempre os nomes de Marcelo Déda e de Lula, em todas as oportunidades. Fator que, segundo ele, é questão de “dar honra a quem tem honra”, garantindo, também, a presença do ex-presidente em sua campanha.

“Déda sempre será minha grande referência. Eu sempre me inspirei nele, não há dúvidas disso. Eu quero me espelhar em Déda, mas fazer melhor, modernizar a cidade. Vamos recuperar a cidade. Igualmente com Lula. E é claro que ele estará em minha campanha. Eu não sou igual a outros candidatos que precisam esconder seus aliados. O presidente Lula me ensinou algo que nunca esqueço: temos que sentir a dor das pessoas para poder cuidar delas. É isso que eu farei”, afirmou.

Ainda durante a entrevista, Márcio comentou sobre o lançamento do programa de estímulo à economia, divulgado pela Prefeitura de Aracaju nesta terça-feira. O anúncio da gestão foi visto com estranheza para o petista que disse entender como “ação eleitoreira”.

“Às vésperas de uma eleição municipal, depois de tudo que os moradores passaram, e continuam passando, o prefeito vem anunciar somente agora um programa de auxílio aos micro e pequenos empresários? Isso é inadmissível. Ele passou a pandemia sem fazer nada e só lembrou do povo agora. Isso, para mim, nada mais é que ação eleitoreira”, confrontou.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.