Politica & Mulher
Desapegue: um novo conceito de comprar e de empreender

Bianca Matos e o apelo à moda cíclica com o Desapego Fashion Clube

De acordo com uma pesquisa do GlobalData, o valor movimentado pelo segmento de brechós, bazares e lojas especializadas em peças de segunda mão de forma geral deve ir de US$ 24 bilhões para US$ 51 bilhões até o ano de 2025. É um mercado extremamente promissor por diversos motivos, entre eles, a sustentabilidade, a preservação do meio ambiente e o custo-benefício.

Tudo isso fez a advogada e servidora pública Bianca Matos empreender na área. A moda circular, como ela denomina, foi a alternativa para dar destino às malas de roupa que perdera após parir o terceiro filho. Surgia, assim, o Desapego Fashion Clube. Inicialmente, junto a duas amigas.

“Fizemos o bazar e mesmo vendendo bastante ficou um saldo, então resolvi fazer um Instagram para expor as peças. Dias depois, já tinha gente se interessando de colocar as roupas no meu IG para vender também”, lembra Bianca.

Dois anos depois, o bazar virou empresa, com outras duas colaboradoras e Bianca fazendo as vezes de administradora, contadora, curadora etc. “A rotina é pesada por aqui, a escolha das peças é bem criteriosa. Após cadastrar e precificar, enviamos um e-mail para as fornecedoras solicitando aprovação e autorização junto a um contrato de adesão. Sendo aprovado, começamos o processo de venda presencial e on-line”, explica.

O Desapego hoje, inclusive, possui um site para vendas, o www.desapegofashionclub.com.br. Bianca acredita que o confinamento imposto pela pandemia influenciou bastante no cresceimento exponencial do setor e, espacialmente, de sua empresa. “Foi um momento em que todos no mundo pararam para auto avaliar suas necessidades e perceberam que precisamos bem menos do que merecemos”, justifica.

“Então, muitas pessoas começaram a desapegar de coisas que não lhe serviam mais, fomentando assim a oferta no mercado. Da mesma forma, o consumo consciente, que é muito mais uma questão cultural e não só econômica como muitos acham, vem crescendo muito pelo viés da sustentabilidade, da economia e desconstrução de uma ideologia de consumo”, acrescenta a empresária.

Apesar disso, ela entende que trilhou um camino inverso, deixando segmento “investir” nela. “Eu apenas recebi os sinais, aceitei e agradeci a Deus, tomando como um projeto de vida. Já tive uma loja de roupas tradicional, sei e gosto de lidar com vendas e moda. Nada é por acaso”, acredita Bianca, que também criou o Desapego Fashion Clube Kids.

Segundo ela, a economia com as peças gira em torno dos 70%. Mas esse não seria o único diferencial. “Sem modéstia, o principal é o amor e o cuidado que dedico à curadoria de cada peça, depois disso posso sem dúvida citar a localização, a estrutura, a organização, os valores, a diversidade, o fato de ter roupas femininas e infantis”, argumenta.

O feedback das clientes também conta muito, segundo Bianca. “Essa é a melhor parte, pessoas que já costumavam frequentar brechós e se surpreendem positivamente por todas as características de diferenciação que possuímos. Pessoas que tinham a imagem de brechó como um lugar mau cheiroso e mal organizado, com peças velhas empilhadas, enfim nunca mais esquecem o caminho. Temos clientes que toda semana passam lá”, comemora.

Agora, na opinião de Bianca, a legislação precisa acompanhar a evolução desse mercado. “Estamos só engatinhando diante de todo o processo que ainda temos a percorrer, precisamos de um projeto de lei que defina e preencha certas lacunas relacionadas à burocracia dos brechós. Mas não tenho dúvidas que é um segmento que veio para ficar, já que as pessoas estão cada vez mais procurando expandir suas consciências, a nova era vem mostrar que somos muito mais que um guarda roupa lotado de peças não essenciais”, resume.

É isso: o consumo consciente se impõe, tornando-se muito mais do que uma alternativa de compra e venda, e sim como um estilo de vida baseado em simplicidade e sustentabilidade. Além do mais, desapegar é sempre bem-vindo. E serve para coisas, roupas e pessoas!

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.