Politica & Mulher
Olimpíadas: brasileiras batem recorde de medalhas e de ouros

Medalhistas, mulheres se destacam em Tóquio

As Olimpiadas de Tóquio serão encerradas no próximo domingo, dia 8 de agosto, mas as mulheres brasileiras já quebraram o recorde de medalhas conquistadas em uma edição dos Jogos. As atletas do país somam oito pódios em 2021– quase metade das conquistas do Brasil na edição atual.

O recorde foi alcançado com a medalha de ouro de Ana Marcela Cunha, obtida na maratona aquática na noite da última terça-feira, 3. Até então, a melhor marca das atletas do país era de sete medalhas em Pequim-2008.

Além da nadadora Ana Marcela, a ginasta Rebeca Andrade ficou no lugar mais alto do pódio no salto e as velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze foram bicampeãs olímpicas na classe 49erFX.

As brasileiras também somam duas medalhas de prata, novamente com Rebeca no Individual geral da ginástica artística e com Rayssa Leal, a mais jovem medalhista brasileira da história – com apenas 13 anos --, no skate street.

Ou seja, o salto não é apenas em quantidade, mas também em qualidade. A lista de Tóquio também tem as medalhas de bronze da judoca Mayra Aguiar, da categoria até 78kg, que ficou em terceiro lugar pela terceira edição seguida dos Jogos; e das tenistas Laura Pigossi e Luisa Stefani nas duplas.

Quem completa a relação de mulheres medalhistas em Tóquio é Beatriz Ferreira, na categoria peso leve - de até 60kg - do boxe. Bia se classificou para as semifinais e já garantiu o bronze. As oito medalhas do momento representam quase metade das conquistas da delegação brasileira nas Olimpíadas de Tóquio – o país já assegurou 18 medalhas nos Jogos.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.