Politica & Mulher
Apenas 9% da população são comandados por mulheres

Mudança é necessária e urgente

Um levantamento do Instituto Alziras, uma organização sem fins lucrativos com a missão de ampliar e fortalecer a presença de mulheres na política e na gestão pública, mostra que somente 11,7% dos municípios elegeram mulheres prefeitas na última eleição. Juntas, eles governam apenas 9% da população.

Embora representem mais da metade da população do Brasil – e 52% do eleitorado brasileiro –, as mulheres ainda não conquistaram a igualdade na participação política. De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral – TSE –, dos 5.568 municípios do país, somente 649 contam com prefeitas.

Elas estão mais presentes na região Nordeste: 288 prefeitas que representam 16% dos municípios. O pior cenário é na região Sul, com 88 mulheres líderes dos Executivos municipais, equivalente a 7% das prefeituras. Os dados são do último Censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Outro dado que revela a discrepância na representação feminina: 91% das prefeitas administram municípios com até 50 mil habitantes. A única capital brasileira que elegeu uma mulher em 2020 foi Palmas, Tocantins, que elegeu Cinthia Ribeiro, PSDB. Considerando a população de 212,6 milhões de habitantes, elas governam somente 9% dos brasileiros.

“Ampliar a presença das mulheres nos espaços de poder passa por compreender a experiência das prefeitas brasileiras à frente da gestão dos municípios e seus aprendizados. Valorizar a sua contribuição é urgente para a nossa democracia”, afirma Clara de Sá, diretora e cofundadora do Instituto Alziras.

O estudo, que foi realizado entres os dias 1º de novembro e 15 de dezembro de 2021 e contou com a participação de 280 prefeitas, apontou outros dados alarmantes: 58% das prefeitas relataram já terem sofrido assédio ou violência política. Dessas, 45% citaram casos de violência após a adoção de medidas restritivas para combater a pandemia da Covis-19, como o  lockdown e a restrição do comércio.

“A violência política não apenas limita o exercício dos direitos políticos das mulheres, como também impacta a qualidade da democracia, na medida em que dela decorrem barreiras concretas para a presença de mais mulheres nos espaços de poder e tomada de decisão política”, destaca o levantamento. Se este ano as coisas não mudarem, os índices vão continuar piorando a cada eleição. Fica a dica! 

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.